Sunrunner: Muitos elementos em um só álbum

Sunrunner capa

Formada em 2008, em Portland, o Sunrunner lançou seu mais novo trabalho, o Heliodromus (2015), ano passado, pela Minotauro Records. O álbum foi meu primeiro contato com os americanos, que fazem um som que não pode ser rotulado. A banda formada por David Joy (baixo e vocal), Joe Martignetti (guitarra, violão, flauta e vocal) e Ted Maclnnes (bateria, percussão e vocal) transita entre o metal e o hard rock, com alguns elementos de folk, em um universo “rock progressivo”, por assim dizer. Mas, esse “universo” não é aquele que conhecemos do Dream Theater, por exemplo, cheio de técnicas e músicas difíceis. Traduzindo, é como se o Pink Floyd resolvesse tocar metal. Temos músicas mais simples, sem perder o peso, e com boas melodias.

Dessa forma, o álbum inicia com Keeper’s of the Rite. A banda não economizou nos duetos, bateu até uma certa nostalgia porque lembrei um pouco músicas clássicas de jogos da Nintendo, algo que sou muito fã. A música traz também elementos do power metal, com um bom refrão. Em Corax temos uma noção do ecleticismo da banda, o início no bandolim dá logo lugar a um riff que deixaria Electric Funeral com orgulho. Mas, mais mudanças na melodia aparecem na música, com direito a passagens no violino, e progrede para o psicodélico. Conseguiu acompanhar? Sugiro escutar essa música.

The Horizon Speaks traz de volta a veia heavy metal do Sunrunner, com a volta dos duetos também, sendo que esta é mais melódica e não tão pesada. A música traz passagens da flauta, dando todo um tom folk à composição. Star Messenger coloca um certo tom de dissonância no som, contrastando com partes mais pesadas. The Plummet podemos dizer que é a faixa mais “diferente” do álbum, com seu caráter céltico. Não consigo ouvir essa música e não imaginar uma taverna cheia de anões e um caneco de cerveja em uma mesa de madeira. Technology’s Luster deixa de lado todo o “progressivo” e empurra um hard rock em nossos ouvidos, mas, a música ainda tem algumas poucas variações na melodia. É legal ter uma música “direta” em um álbum mais complexo.

Agora vamos a outro parágrafo. O instrumental Passage anuncia a faixa-título do álbum, Heliodromus. O álbum por si já é um pouco longo, mas o Sunrunner não economizou no tempo e fez uma música com 21 minutos. Isso mesmo! Heliodromus é o grande destaque do álbum para mim, é uma faixa complexa, repleta de variações melódicas. Uma verdadeira obra de rock progressivo com pitadas de Iron Maiden na sonoridade.

No final, meu primeiro contato com o Sunrunner foi satisfatório. As músicas são boas e o álbum funciona bem como um todo. A sonoridade “retrô” do álbum se mistura com melodias modernas em uma diversidade de estilos musicais.

Tracklist:

1.Dies Natalis Soli Invictus
2.Keeper’s of the Rite
3.Corax
4.The Horizon Speaks
5.Star Messenger
6.The Plummet
7.Technology’s Luster
8.Passage
9.Heliodromus

 

Comentários estão desabilitados no momento.